NotíciasTestes e LançamentosViagens e AventuraFotosOpiniãoDicasMecânica
atualizado em 18 de novembro de 2007                       quem somos | contato | newsletter       

   
 
Range Rover Sport


Muito luxo, conforto e competência fora da estrada. O novo Range Rover Sport chega ao Brasil

Desejos para 2014


Roberto Nasser abre o ano com uma lista de desejos para os leitores terem um novo ano perto da perfeição

Novo Logan


Quase 80 por cento do novo Logan são novos mesmo. A Renault mudou quase tudo no modelo, que tem seus atrativos
 
Fórmula 1 pode ter revolução a 60 mil rpm

foto de divulgação

John Hilton mostra o volante acumulador de energia. Abaixo, modelo da transmissão contínua
Pelo menos uma equipe de Fórmula 1 está estudando um sistema inédito de recuperação de energia para usar em seus carros dentro de dois ou três anos. A equipe, não identificada, contratou a empresa britânica Flybrid para adaptar em seus carros uma tecnologia inovadora, que permite armazenar parte da energia perdida nas frenagens num pequeno volante que gira em altíssima rotação.

A razão de tudo é a preocupação com o meio-ambiente ou, melhor dizendo, com a imagem da categoria ante um público cada vez mais preocupado com as emissões de gases que causam o aquecimento global e com o desperdício do petróleo. Pensando nisso, a FIA, entidade que regulamenta a Fórmula 1, prevê que, nos próximos anos, os carros deverão ser dotados de algum tipo de dispositivo de recuperação de energia.

Energia extra - Simplificando: toda a vez que um piloto pisar no freio no final de uma reta, fazendo a velocidade cair de 200 ou 300 km/h para 100 ou 120 km/h, em vez de dissipar a energia do movimento em calor, parte dela deverá ser acumulada de alguma forma para ser usada novamente. Assim, os carros não só gastarão menos combustível como terão uma força extra armazenada para usar na saída das curvas ou para acelerar mais ao longo das retas.

O princípio proposto pela Flybrid é simples, mas a execução não é nada fácil. O complicado no sistema é como fazer a transferência da energia das rodas para o volante e vice-versa. Para isso, é usada uma transmissão de variação contínua comandada eletronicamente. Assim, seja qual for a rotação do volante, a força é transmitida na dose exata necessária para ajudar na movimentação do carro.

O sistema que está sendo desenvolvido poderá desenvolver uma potência auxiliar de até 80 cv, aumentando em mais de 10% a força disponível em determinados momentos. Todo o conjunto deverá pesar menos de 24 kg e ser compacto o suficiente para não alterar muito o reduzido espaço disponível num carro de Fórmula 1.

Prêmio - Armazenar tanta energia vai requerer que o volante gire a mais de 60 mil rpm, o que exige alta resistência. Para isso, ele é feito de fibra de carbono, material que tem a vantagem extra de, em caso de algum acidente, se desfazer. Para reduzir o atrito, o volante é montado sobre rolamentos especiais e funciona numa câmara de vácuo. O conjunto é blindado e deverá ser submetido a testes de impacto para garantir a segurança.

Para quem acha o sistema inviável, é bom saber que a empresa ganhou o prêmio de Inovação de Motores do Ano pelo projeto, entregue durante a Professional Motorsport World Exposition, realizada em julho último. Os dois proprietários da firma, John Hilton e Doug Cross, não por acaso, trabalharam na equipe Renault de Fórmula 1 e têm mais de uma década de experiência na categoria.


Jorge Meditsch


-----------------------------------------------------------------------------------------------
anterior | índice | próxima